1 de Maio de 2022




84% das PME portuguesas espera regressar aos níveis de rentabilidade pré-pandemia nos próximos 12 meses


A pandemia dos últimos dois anos afetou consideravelmente a economia do país – um efeito que se fez sentir, em especial, nas pequenas e médias empresas (PME), que compõem a grande maioria do tecido empresarial português e são um motor essencial para ultrapassar os problemas económicos.

 


N

este sentido, a Sage, acaba de lançar o estudo global “Pequenos negócios, gran­des oportu­ni­da­des?” – num total de 13 mil PME inquiridas, mais de mil delas portuguesas –, para compreender os seus desafios e perspectivas para o futuro a mais longo prazo.

Mais confiança no sucesso dos negócios em 2022

Apesar dos obstáculos trazidos pela pandemia, o estudo revela que existem fortes sinais de otimismo quanto ao sucesso dos negócios a longo prazo, à capacidade de contratação e ao forte crescimento financeiro nos próximos anos.

A Sage revela que a grande maioria das PME portuguesas (71%) se sente confiante quanto ao sucesso dos seus 

negócios nos próximos 12 meses, uma tendência que tem vindo a aumentar ao longo do tempo. De facto, estão mais otimistas agora do que estavam há um ano (+16%).

Este otimismo está a influenciar o desempenho, e 84% das PME portu­guesas espera regressar aos níveis de rentabilidade pré-pandemia, pelo me­nos parcialmente. Também quase metade (54%) prevê que as suas receitas aumentem nos próximos meses, um ótimo indicador de estabilidade e resiliência.

Entre os fatores que mais con­tribuem para esta confiança renovada, encontramos por exemplo o aumento da base de clientes, a força de trabalho de alta qualidade, o aumento do fluxo de caixa e as novas tecnologias e eficiências adotadas durante a pan­demia.

Ainda existem obstáculos no caminho do sucesso

No entanto, é também necessário referir que mais de um terço (35%) das PME portuguesas ainda não consegue exercer a sua atividade normalmente devido aos obstáculos trazidos pela pandemia.

Assim sendo, entre os principais entraves que se colocam hoje ao sucesso das PME portuguesas, a maior parte (34%) indica incapacidade de funcionar normalmente devido à pan­demia, destacando bloqueios adicio­nais, restrições às viagens, trabalho à distância e ausências de colaboradores por contrair COVID-19, entre outros efeitos que ainda se fazem sentir no quotidiano.

Também preocupante para muitas das empresas inquiridas em Portugal (33%) é o aumento dos custos, em particular o novo desafio da inflação, cujos números significativos apontam para a persistência e agravamento nos próximos anos.






As PME portuguesas revelam também alguma inquietação em relação à falta de apoio por parte do Governo (22%). Para a grande maioria delas, este é o recurso mais importante que poderá contribuir para o cres­cimento e sucesso dos seus negócios; de facto, as PME que rece­beram financiamento governa­mental têm expectativas mais positivas em relação ao próximo ano.


Finalmente, e de forma animadora, a maioria das PME portuguesas (62%) sente que está a lidar bem com os obstáculos e adversidades, na maioria das vezes cortando custos, recorrendo às poupanças, oferecendo novos produtos ou através da adoção digital. Com este pensamento positivo, sentem-se mais resilientes e confiantes na sua capacidade de combater riscos futuros e singrar no mercado.


É realmente impressionante todo o esforço e trabalho que os empre­sários portugueses demons­traram du­rante o período de pandemia. Este empenho foi crucial e serviu como uma excelente oportunidade para as PME aumentarem a sua capacidade de reinvenção e se reerguerem cada vez mais fortes e preparadas para o futuro,” comentou Josep Maria Raventós, Country Manager da Sage Portugal. 





Subscreva esta mailing list para receber a revista em formato digital gratuitamente...