11 de Abril de 2021










ANTÓNIO NOGUEIRA DA COSTA

CEO da efconsulting |  docente e membro do N2i do IPMaia


Cultivar Conhecimentos: uma ação eterna e inerente aos humanos


Considero a simplicidade como uma via de se despertar a atenção para um determinado elemento.

Conquistado esse recurso raro do ser humano, pode-se partir para uma exploração mais intensiva por múltiplos caminhos de interesse.



Aplicando esta meto­dologia de abor­dagem ao tema gené­rico des­te número da Start & Go, considero a “cul­tu­ra” como uma via de cultivar conhe­ci­mentos e inerente ao ser humano. Esta generalização pode ser de imediato secundada por uma definição genérica formulada por Edward B. Tylor (antropólogo britânico 1832-1917) como "todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo homem como membro de uma sociedade"(1) .

Num contexto de globalização, digita­lização de informação com múltiplas fontes (texto, fotografia, som, vídeo, etc.) e infindável metainformação, parece que a tendência da cultura é remeter-se para o mundo digital e deixar que cada indivíduo encontre e cultive as suas hortas de conhecimento na nuvem (cloud).







A partir da segunda metade do séc. XX, com crescimento exponencial nas duas primeiras décadas deste século, os negócios emergentes e as infindáveis start-ups refletem esta imparável tendência. O surgimento de grandes bases de dados de acesso livre e múltiplas ferramentas de processamento e pesquisa facilitam de forma significativa a génese do que apelido de empreen­dedorismo na base dos bits, concebendo negócios de base digital exclusiva ou de composição digital com negócios de expressão física ou “tradicionais”.

Nos negócios associados ao mundo dos livros, cada “cultivador”, constrói a sua horta e desenvolve uma forma de                     

cultivo ou desenvolvimento muito própria, tendo presente os seus objetivos.

Para ilustrar esta realidade, nada melhor do que apresentar duas distintas “hortas e cultivadores” sedeados no Porto. São espaços e pessoas irreverentes que acre­ditam na cultura como paixão e como negócio sustentável, desenvol­vendo-os de forma bem distinta e em conjugação com as suas próprias conceções e desejos pessoais.

Livraria Académica

Fundada em 1912, desde o ano seguinte que a Livraria Académica se instalou na Rua dos Mártires da Liberdade, 10. Ao longo dos anos, e em especial pelas mãos de Nuno Canavez, foi-se especializando em livros sele­cionados e raros. De uma das múltiplas vezes que entrei neste acolhedor espaço, ia com um amigo espanhol que procurava dois temas: mapas ibéricos com mais de dois séculos e edições interessantes de “O Príncipe”.


O Nuno Canavez convidou-nos a vaguear pelo espaço e desapareceu. Passados uns minutos aparece com uns “pouco interessantes” mapas, com origem em folhas destacadas de um livro holandês do séc. XVII (€100) e uma edição rara da solicitada publicação de Nicolau Maquiavel (€3.000) (2). Não tinha recorrido a qualquer computador ou arquivo físico, mas somente à sua memória e ao labiríntico espaço e sistema de arquivo muito próprio. Esta horta e cultivador foram bem carac­terizados no livro surpresa organizado por um grupo de amigos, em 2008, “NUNO CANAVEZ– As Palavras da Amizade ” onde se destaca:

• "A experiência adquirida ao longo dos anos, com o manuseamento de milhares de volumes, focando os mais diversificados assuntos; e os contactos com uma ampla clientela, em que se incluíam as mais gradas figuras da intelectualidade portuense (mas não só) ajudaram o Nuno (como carinhosamente é tratado pelos seus amigos) a fazer da Académica um centro irradiador de Cultura”. (nota biográfica). 

• “Nuno Canavez é uma instituição. Digo bem. Não é apenas a sua Livraria Académica. É o próprio Homem. O que constitui uma raridade. Significa ideia de obra ou de empreendimento que se impõe ao respeito e à admiração de todos e que perdura no tempo para além da vontade daquele ou daqueles que a geram.” Marcelo Rebelo de Sousa. 

• “Nuno Canavez é um guardador de rebanhos; no seu caso, os rebanhos são os pensamentos, as palavras, os desejos, os pesadelos, e as luzes e sombras de que é feita a poeira da memória dos homens.” Manuel António Pina.


Figura 1 - Livraria Académica e Nuno Canavez



Arte, criatividade, irreverência… associam-se ao espaço empresarial Lio­nesa. Nascida em 1944, esta vizinha do milenar mosteiro de Leça do Balio, desapareceu enquanto empresa têxtil de referência e renasceu com uma refor­mulação do espaço que alberga múltiplas empresas que conjugam negócios tradi­cionais com novos conhecimentos, tecno­logia e arte. Concertos, performances, exposições, street art e outras inter­venções artísticas compõem um espólio cultural aberto à comunidade, que atrai quem trabalha, visita ou contacta com a Lionesa. (fonte: http://lionesa.pt/arte/) Esta profunda alte­ração é obra de Avelino e Aurora Pedro Pinto, um casal que, nos últimos anos, adquiriu vários espaços históricos asso­ciados a distintas expressões culturais, que englobam:

 Livraria Lello: 

Um edifício bonito que albergava uma livraria com difi­culdades econó­mi­cas. Uma nova estra­tégia, uma nova equipa e uma recupe­ração do espaço transfor­maram a Lello num dos espaços mais turísticos do Porto e num negócio sustentável (vende mais de 700.000 livros por ano e é a única livraria que, mesmo cobrando €5 para entrar, chega a receber mais de 4.000 visitas por dia).



Teatro Sá da Bandeira: 

 Centro de espetáculos mais antigo do Porto (remonta a 1846), adquirido em 2019, vai integrar e complementar a estratégia da Livraria Lello.

Confeitaria Serrana: 

Nasce em 1911 como Ourivesaria Cunha, num espaço adequado a este negócio e ricamente adornado com painéis de Acácio Lino. Com a sua mudança, em 1914, para a Rua das Flores, o espaço albergou uma loja de fazendas, um restaurante e, em 1953, a confeitaria. Futuramente integrará a mesma estratégia dos edifícios anteriores e será também um polo cultural com base nos livros.



Figura 3 - Painéis de Acácio Lino - Serrana

Figura 2 - Painéis de Street Art - Lionesa



A cultura e o cultivo dos conhecimentos são um negócio do passado, do presente e que tem um futuro. Tal como todos os outros negócios, a paixão de quem neles trabalha, investe e acredita pode demonstrar que são negócios sustentáveis.









Bibliografia:

(1) - https://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura, consultada em 2020/01/23;

(2) - O valor aconselhava a uma reflexão, pelo que a aquisição foi adiada. Na semana seguinte regressei com essa intenção, mas infelizmente o livro já tinha encontrado outro pretendente.

(4) - NUNO CANAVEZ – As Palavras da Amizade, 2008, Calendário de Letras



Subscreva esta mailing list para receber a revista em formato digital gratuitamente...