1 de Julho de 2020



Na 2ª edição do prémio Start & Go, o público escolheu...


 Caminhar  - Jardim de Infância


Há doze anos atrás abria uma nova empresa, num sector de atividade bastante concorrido, mas com grande espe­rança e muita von­ta­de de fazer melhor. Ana e Isabel Costa, são duas irmãs com formação superior em Educação de Infância, que com o apoio incondicional dos seus pais decidiram criar um projeto que respondesse aos desafios de uma sociedade moderna e cada vez mais exigente. As suas experiências pro­fissionais e as suas necessidades como mães levaram-nas a desenvolverem um projeto muito especial e com elevado reconhecimento por parte dos seus clientes. As instalações primam pela qualidade, pela estética mas acima de tudo privilegiam a segurança das cerca de 80 crianças que diariamente animam o dia destas duas empresárias e da sua equipa de colaboradores.

É com um sorriso enorme e com um colo cheio de carinho que pela manhã abrem as portas do Caminhar às suas crianças.” Fazemos questão que exista uma responsável para receber as crianças pela manhã e uma no final do dia para as entregar novamente aos seus pais, para nós é uma enorme responsabilidade uma vez que guardamos os seus maiores tesouros” afirma Ana Costa. Preparado para receber crianças desde os 4 meses até aos 6 anos de idade, o Caminhar encontra-se actualmente completo, existindo já uma lista de Espera. “Já conhecem o Caminhar em Chaves. No outro dia recebi uns pais que vinham de Chaves e que nos procuraram porque alguém lhes tinha indicado o Caminhar.” Afirma Isabel Costa.

As salas são adaptadas as diferentes fases das crianças e preparadas para estimular a sua imaginação e as capacidades emocionais e sociais. “ Cada criança é única. Se uma criança acha que o sol é vermelho, porque não pode ser?” diz-nos a responsável educativa desta escola. Embora haja um planeamento das atividades educativas, estas muitas vezes são adaptada às necessidades dos diferentes grupos e de acordo com os seus interesses. 














O tema do projecto lúdico/sala resulta do interesse que o grupo vai demonstrando ao longo do desenvolvimento do mesmo e pode abranger variadíssimos aspectos. No ano lectivo passado na sala dos 4-5 anos o tema surgiu depois de as crianças terem falado sobre as férias e demonstrado interesse no Mapa de Portugal. Foram abordadas as diferentes regiões, os seus usos e costumes, o significado da bandeira de Portugal e até mesmo o Hino Nacional.

Mas a preocupação por estarem a participar na formação da próxima geração de cidadãos e conscientes da importância do respeito pela liberdade e valores dos outros, levou à criação de dois clubes que contam com membros muito activos. 

O Clube da Pegada Verde, destinado às crianças mais velhas e que se dedica a trabalhar as temáticas ambientais. “As notícias sobre a escassez da água, trouxe a preocupação e o debate do tema para o clube”, explica-nos Ana. 

 O Clube dos Pequenos Filósofos aberto à participação das crianças a partir dos 3 anos, tem como principal preocupação levar as crianças a entenderem que tem que respeitar os outros e diferentes opiniões. “É importante que desde cedo percebam que a sua liberdade termina quando começa a do outro” refere Ana Costa.

A importância da participação dos pais no dia-a-dia da escola é um factor diferenciador. Desde a leitura de um livro até a preparação de um bolo, pais e _


avós podem proporcionar um dia diferente na escola do Caminhar. "As portas estão sempre abertas. É importante que os pais se sintam seguros em deixar cá os seus filhos, podem visitar-nos e participar nas actividades sempre que queiram” afirma a Educadora. 

 A semana Cultural no final do período lectivo é um importante marco na jovem existência do Caminhar. Para esta semana a equipa educativa prepara actividades especiais que vão desde palestras sobre temas que interessam a todos os pais até ao animado palhaço Pico que faz a delícia dos mais pequenos. Além da exposição dos trabalhos dos pequenos artistas que enchem os pais de orgulho, são também realizadas apresentações de karaté, música, dança criativa, inglês que permitem extravasar a energia.



Artigo publicado na edição de Maio de 2019



E o público escolheu também


 Happy Zone 


Chama-se HAPPY ZONE e é um projeto pioneiro e inovador na área da educação sócio emocional em Portugal.

Dirigido a escolas, pais e agentes educa­tivos, o projeto tem como objetivo promover a felicidade e o equilíbrio em contexto escolar, familiar e social. A crescente adesão pela comunidade escolar e clínica aos programas e jogos educativos com a insígnia HAPPY ZONE, atesta a sua importância e benefícios. “É urgente educar para as emoções”, sublinha Andreia Espain, autora e coordenadora-geral do projeto HAPPY ZONE. Criado em 2014, a rápida expansão conduziu ao desenvolvimento do programa CALMA­MENTE® - Aprendendo a Aprender-se e de materiais pedagógicos, nomea­da­mente, jogos de cartas didáticos intitulados: «Afirmações Positivas para Crianças (2016); «Sou e Sinto Yoga» (2017) e «Uma Nuvem de Emoções» (2017).

A experiência profissional como docente do Ensino Secundário, permitiu a Andreia Espain sentir o pulso à realidade escolar e fazer uma análise privilegiada ao comportamento emocional dos alunos. Foi então que, identificada uma lacuna na dinâmica escolar portuguesa, decidiu criar o projeto HAPPY ZONE que rapidamente se expandiu através de aulas e sessões de formação, às escolas da região do Grande Porto. A ideia principal era ensinar os alunos a desenvolveram competências sócio emocionais no sentido do autoconhecimento e autorregulação. 

  “A nossa experiência formativa e o contacto com as realidades escolares em que nos movimentamos dão-nos a clara indicação de uma iliteracia emocional generalizada e, consequentemente, da falta de ferramentas de auto­conhecimento e autorregulação. Esta é uma realidade que queremos mudar, levando os nossos programas a cada vez mais escolas e famílias.”, destaca a responsável. Tendo sempre como missão promover a felicidade e o equilíbrio em contexto escolar, familiar e social, o projeto deu origem ao Programa CALMAMENTE® - Aprendendo a Aprender-se que, por sua vez, utiliza atividades de enriquecimento e educação emocional, como toque positvo, mindfulness, relaxamento, equilíbrio e bem-estar em contexto escolar. 










Inicialmente, o principal foco era o contexto escolar, mas o CALMAMENTE® é um programa que pode e deve ser aplicado, também, em contexto clínico, familiar, entre outros, através de formações direcionadas para pais e professores”, esclarece a responsável.

Sobre a recetividade do projeto na comunidade escolar e clínica e o acolhimento das iniciativas que dinamiza, Andreia Espain salienta: “As crianças e os adolescentes aderem com facilidade e naturalidade às dinâmicas propostas, reconhecendo valor às ferramentas adquiridas e reportando, muitas vezes, a sua aplicação fora do contexto escolar. Todos os agentes educativos são peça fundamental na aplicação do Programa. O feedback tem sido extremamente positivo, com testemunhos muito interessantes e grande envolvimento na aplicação do Programa. Por outro lado, também no que respeita ao contexto clínico temos tido testemunhos importantes na utilização dos nossos materiais e ferramentas (psicólogos, pediatras, entre outros).”


As “cartas mágicas”

 

Foi, em 2016, que Andreia Espain lançou os primeiros materiais pedagógicos que viriam a consolidar o projeto HAPPY ZONE®. O baralho de cartas «Afirmações Positivas para Crianças» - que já vai na 3ª edição -, é um dos exemplos de jogos didáticos criados pela docente para trabalhar a questão do autoconhecimento. Do trabalho desenvovido em escolas percebeu o quanto era difícil para uma criança conseguir caracterizar-se a si, e aos outros, de forma positiva.


Artigo publicado na edição de Maio de 2019

“Quando eram pedidos adjetivos positivos as crianças tinham extrema dificuldade em encontrar as palavras e foi então que percebi que esta era uma lacuna que precisava mesmo de ser trabalhada, em contexto escolar, como forma de promover o autoconhecimento e a autoestima tornando os jovens mais felizes e seguros de si”, explica, revelando que as cartas já são apelidadas de “mágicas”. A importância da participação dos pais no dia-a-dia da escola é um factor


Projetos futuros 


Dois anos depois do lançamento do Programa CALMAMENTE®, Andreia Espain tem a certeza de querer continuar a trilhar os caminhos da educação, na certeza de que é possível fazer a diferença, todos os dias, em todas as escolas, em cada sala de aula. “Queremos chegar a cada vez mais escolas, levar as nossas ferramentas a mais crianças, adolescentes e agentes educativos, onde incluímos professores e pais, enfim, toda a comunidade escolar. Queremos continuar a criar e partilhar, com a comunidade escolar e clínica, ferramentas de trabalho, de qualidade reconhecida, que facilitem o tratamento e integração quotidiana da educação sócio emocional e das restantes temáticas que trabalhamos, como o mindfulness ou o toque positivo. Integrar as nossas propostas na atividade curricular das escolas é outro grande desafio HAPPY ZONE para 2019”, avança a docente, anunciando que se prepara para lançar, em junho de 2019, o livro “A Criança que queria ser Criança”, um novo projeto que se enquadra na sua temática de eleição: a valorização da infância e o reconhecimento das emoções.



Subscreva esta mailing list para receber a revista em formato digital gratuitamente...