20 de Dezembro de 2020



Três startups portuguesas reconhecidas nos dois principais programas aceleradores de cuidados de saúde da Europa


Dois dos mais importantes programas de aceleração na área da saúde do EIT Health já anunciaram os semifinalistas deste ano.

 


E

stas equipas irão agora ter acesso a mentoria e apoio financeiro e ainda competir pela atenção dos inves­tidores e por um lugar no pódio durante as Grandes Finais, que irão acontecer no segundo semestre do ano. No Programa Headstart, o EIT Health decidiu apoiar 89 startups na Europa, incluindo 17 equipas das regiões mais progressivas. Sete startups são de Itália, duas de Portugal, Polónia e Estónia e uma da Roménia, Hungria, Grécia e Letónia.

Entre os semi-finalistas portugueses do Headstart estão a Bac3Gel e a C-mo Medical Solutions. A C-mo Medical Solutions pretende responder a uma necessidade clínica relevante com um dispositivo de monitorização de tosse, que fornece uma avaliação abrangente dos padrões distintos de tosse de um paciente.

Esta solução visa facilitar e agilizar o


diagnóstico da doença subjacente à tosse, permitindo a prescrição de terapias e tratamentos personalizados e precisos. A Bac3Gel está a desenvolver um substrato universal para cultura de bactérias que permite gerar infeções humanas in vitro e auxiliar no desenvolvimento de novos antibióticos.

Este ano, o EIT Health expandiu a oferta do concurso Headstart para ajudar na procura de soluções digitais de combate à COVID-19 e selecionou startups que utilizarão este apoio para desenvolver produtos e serviços que pretendem ajudar a Europa a conter, tratar e gerir esta doença.

Todas as equipas recebem 40.000€ para desenvolver as suas inovações e atrair investimentos privados. As start-ups irão competir por 10.000€ adicionais durante a Grande Final. Este ano a participação no programa Headstart foi três vezes superior à de 2019, já que foram recebidas mais de 150 candida­turas.


O segundo programa, o EIT Health Catapult, oferece 40.000€ para o primeiro, 20.000€ para o segundo e 10.000€ para o terceiro lugar em três categorias: medtech, saúde digital e biotecnologia. Até à Grande Final, as equipas irão ter acesso a mentores e formação em modelo de negócio e planeamento, negociação de acordos de investimento e formação em pitch, assim como um acesso facilitado a especialistas e investidores de alto nível. Entre os semi-finalistas há uma equipa de Portugal - Criam.


"A chave para o desenvolvimento de sistemas de saúde inovadores está nas mãos da próxima geração: jovens talentos que desenvolvem as soluções de saúde do futuro. O nosso objetivo é fornecer o suporte necessário, orientação e oportunidades de networking a todos eles."  - referiu Inês Matias, Business Creation Manager da EIT Health InnoStars.



Relacionadas



Subscreva esta mailing list para receber a revista em formato digital gratuitamente...