Quando o amor é cego…

Enquanto educadora, ao longo dos anos tenho vindo a deparar-me com cada vez mais crianças com necessidades educativas especiais (NEE).

Sara Cardoso
10 de Maio de 2016

Enquanto educadora, ao longo dos anos tenho vindo a deparar-me com cada vez mais crianças com necessidades educativas especiais (NEE). Não sei o que se passa com a nossa sociedade para tal estar a acontecer, mas é uma realidade crescente.

Mas, o que mais me incomoda não é este número significativo de crianças com NEE, mas o tempo que as famílias demoram a assumir as dificuldades e a “meter os pés ao caminho”. Sim, porque mais do que identificar, rotular, catalogar o que a criança tem, o importante é ela ser devidamente acompanhada desde cedo.

Atualmente, há imensas instituições de terapias multidisciplinares que fazem um trabalho de excelência de intervenção precoce junto destas crianças e que veem o fruto do seu trabalho quando há envolvimento e comprometimento por parte das famílias.

Cada vez mais, são os educadores e professores que têm de alertar para questões para as quais as famílias não estão despertas. E quando não há abertura dos pais, estes refugiam-se nos pediatras, que nem sempre estão atentos a estas questões. Sim, porque também me intriga porque que é que a criança num consultório apenas é vista do ponto de vista fisiológico, quando sabemos a importância do todo: o cognitivo, o social, o emocional.

Também me interrogo porque é que quando uma criança tem uma dor de garganta, ouvido, etc. recorremos logo ao pediatra a fim de diagnosticar e medicar, mas quando apresenta dificuldades na comunicação, regulação ou socialização temos receio de procurar um terapeuta, um psicólogo, um pediatra do desenvolvimento.

Devíamos ver as terapias como um suporte, um apoio no desenvolvimento dos nossos filhos e não como uma marca negativa que evidencia as dificuldades dos mesmos. É importante reconhecer que estas existem para nos ajudarem, e que uma intervenção precoce pode fazer a diferença no futuro dos nossos filhos. Adiar só vai demarcar as dificuldades que se vão acentuando com o passar dos anos. Pais que estão em negação são pais que adiam o sucesso das crianças.

Por isso, não adie a felicidade do seu filho, até porque quanto mais cedo intervir mais e melhores resultados terá, e menos tempo de terapias precisará.

Rate and Review
Review
Review summary
Reviews

Revista Digital Start&Go

Mais vistas


Mesmo autor